jusbrasil.com.br
20 de Maio de 2022

Mulher expulsa de avião por tirar máscara para beber água processa companhia

Pauta Jurídica
Publicado por Pauta Jurídica
há 4 meses


A Southwest Airlines foi processada em 10 milhões de dólares nesta terça-feira por uma mulher de 68 anos da Flórida que disse que a transportadora a expulsou de um voo porque ela precisava periodicamente remover sua máscara para beber água.

Medora Clai Reading disse que foi erroneamente removida de um voo de 7 de janeiro de 2021 para Palm Beach, Flórida, de Washington, DC, depois que uma comissária de bordo hostil continuou exigindo que ela mantivesse sua máscara apesar de problemas médicos, incluindo uma condição cardíaca e baixa açúcar no sangue, exigindo que ela se mantenha hidratada.

A Southwest não fez comentários imediatos, ainda não analisando a reclamação, informou a Reuters.

O processo de Reading no tribunal federal do Brooklyn difere das disputas focadas em viajantes que não estão dispostos a usar máscaras.

A Administração Federal de Aviação disse que as tripulações das companhias aéreas em 2021 enviaram 5.981 relatórios de passageiros indisciplinados, incluindo 4.290 incidentes relacionados a máscaras .

Em sua reclamação, Reading disse que ela se ofereceu para mostrar ao atendente seu cartão de isenção médica, mas foi informada: "não nos importamos", e que o atendente se opôs a ela beber água mais tarde gritando: "Você estava falando!"

Reading disse que um atendente do portão acabou ordenando que ela saísse do voo, pois um piloto desmascarado "riu zombeteiramente" enquanto ela saía em lágrimas.

Ela disse que uma policial próxima a ajudou a pegar uma cadeira e ofereceu água, enquanto comentava que ocorrências semelhantes estavam "ocorrendo com muita frequência" e "geralmente é no sudoeste".

Kristina Heuser, advogada de Reading, em entrevista disse que um "avião cheio de testemunhas" viu o encontro, e alguns podem tê-lo gravado em vídeo.

Heuser disse que a conduta "hostil e abusiva" da Southwest reflete uma "insanidade da COVID" que não deve substituir as leis federais que protegem pessoas com deficiências médicas.

O processo de Reading alega violações da Lei Federal de Acesso a Portadores Aéreos e várias leis de direitos civis.

A comissária de bordo, dois funcionários do portão e o piloto, nenhum dos quais identificado pelo nome, também são réus.

O caso é Reading versus Southwest Airlines Co e outros, Tribunal Distrital dos EUA, Distrito Leste de Nova York, nº 22-00265.

Luiz Fara Monteiro | Do R7

Fonte: noticias.r7.com


📰 Veja também:

Combo de Petições 2021 - Mais de 30.000 modelos de Petições Profissionais prontas e editáveis para acelerar sua produtividade!

Curso de Inventário e Partilha - Curso Completo focado na Prática da Advocacia acompanha Kit de Petições de Alta Qualidade!!

Petições de Trânsito 2021 - O mais completo banco de modelos de recurso de trânsito!!

Informações relacionadas

Hiromoto Advocacia, Advogado
Notíciashá 4 meses

Direitos dos portadores de doenças autoimunes

Barbosa Dutra Advocacia e Consultoria, Advogado
Notíciashá 4 meses

Você deseja pagar menos impostos sobre o Lucro Imobiliário?

DR. ADEvogado, Administrador
Notíciashá 4 meses

Vídeo: vendedor ambulante processa Victor Chaves após se sentir humilhado

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Meu nome é Daniel Fernando Ribeiro César, sou advogado, e acho um absurdo uma mulher deste tipo nos Estados Unidos. Ela nunca mais vai poder andar de avião. E por que? Apenas por causa de sua teimosia. Teimosia em colocar uma máscara. Não se sabe se ela queria era os 10 milhões de dólares de indenização ou o quê. Mas é ai, aonde acaba a nossa liberdade, que deve começar a dos outros. Esta mulher é uma libertina na verdade, acha que o direito seu é maior que o alheio. Terrível!!!!! continuar lendo

Pecou para deus que justiça cejafeita estor aespera do meu processo que tanto espero mas Deus e pai muito obrigado até continuar lendo